terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

a fabrica de lápis de cor(Fragmento do conto infantil a historia do inicio)



Alguns meninos me chamam para jogar futebol. Vou pegar minha bolha de sabão, grande e colorida, e vamos ao campinho que fica no potreiro da vaca holandesa. Só paramos de jogar para correr atrás de um avião que passa. Depois do jogo, enquanto descansamos conto para eles como é Curitiba.
Uma cidade com muitos prédios e gente passeando com leões nas calçadas. As praças e marquises estão cheias de pavões, azuis, verdes e brancos. Os carros paravam para uma luz vermelha doce como suco de groselha, chamada semáforo. Que muitas pessoas vivas se vestem com ternos e gravatas, igual dos mortos nos caixões. Conto sobre o mar que cuspia conchinhas na areia como nos dentes de leite, e por último, que conheci o dono de uma fábrica de lápis de cor, quando estava na praia.
Ele tinha ido recolher, com um barco de pescadores, a cor do mar para fazer lápis verdes e me convidou para conhecer a fábrica e mostrou-me como ela funciona. Disse que o azul pegam no céu de avião e o preto na noite com o mesmo avião. O branco é tirado do leite. Na fábrica eles têm cem vacas, só para tirar esta cor. Um dia eu e o dono da fábrica fomos viajar, buscar de caminhão, um arco íris que tinha aparecido em outra cidade.

2 comentários:

  1. A infância é o melhor período pra se recordar! Espero que vc coloque mais fragmentos do seu conto!

    Por acaso esse menino destemido da foto é vc Solivan??

    ResponderExcluir
  2. é meu filho,outro menino destemido.

    ResponderExcluir