terça-feira, 22 de maio de 2012

O monomotor


O monomotor

Juntei-me
aos meninos
que corriam
atrás de um avião.
Atiravam nele com o indicador,
davam adeus,
apontavam
e torciam
para ele cair.
Um Atlas levava uma bola
de plástico.
Os de chinelos de dedo
iam à frente,
os de pé no chão
saltitavam logo atrás
nos pedregulhos.
Um último menininho
chorava e pedia para esperar.
Lembro que tinha uma pérola de ranho
no nariz.
E vimos o avião sumir.
Quase todos faziam
da mão uma aba,
quase todos pareciam
em posição de sentido
calados.
Todos admiravam aquele brilho distante
parecido ao encontrado num caco de vidro.
O menininho ainda chorava.
Voltamos
as bocas imitavam barulho de motores
e os braços asas.
Eu erguia meu braço o mais alto possível,
segurava uma cruz improvisada.
Estilização rude, só o esqueleto
porque o corpo que dava perfeição
ao aviãozinho de gravetos era de imaginação.

De Solivan

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. e eu corria atrás dos aviões Mari,ate hoje acho belo e os sigo com o olhar.

    ResponderExcluir
  3. (bruno) cade as fotos da marylin moroen morta ?

    ResponderExcluir
  4. estão por ai Bruno,em algumas postagens antigas.

    ResponderExcluir
  5. (Bruno) Mas se for uma q tem varias se n me engano 16 fotos juntas, aquela n eh ela. N existe nenhum traço da feição da marylin naquela mulher, mesmo sabendo q depois da morte há mudança devido a decomposição. Bom blog

    ResponderExcluir
  6. mas é ela mesmo,na autopsia,em contraposição com a bela tão retratada na pop art

    ResponderExcluir