sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Marinha, cavalo e Hamlet

Há três sabores de som
no quadro,
uma marinha cinza,
escolho uma concha
cheia de marulho
e sinto saudades do oceano.
Pego minha chave
parece com uma moeda.
(Nunca antes tinha achado a chave parecida com uma moeda).
Vejo na radica de minha porta
demônios, extraterrestres e sexo.
Tenho medo de minha porta.
Corro pelas escadarias
não quero ser encaixotado pelo elevador.
Sou perseguido por demônios, extraterrestres e sexo
até derrubar o general
e sair cavalgando sobre a estátua eqüestre da praça
cheia de pichação e cheiro de urina.
À beira-mar, o cavalo em bronze
ficou colorido, leve de papel machê.
Respirar a maresia era respirar cores
como um camaleão que respira gramado
e fica verde, respira céu e fica azul.
A cavalgada que era tambor
virou dança sem música na areia.
Após a multidão
um menino solitário me sorri.
Minha angústia rega
suas linhas de expressão, que logo viram
rugas e cresceram em seu rosto como heras,
fazendo dele um velho.
A transformação me vez lembrar de uma menina que vi
pescando anjos com orações.
Perguntei a ela.
-Pode ser qualquer oração?
-Não, só as impregnadas de poesia e um pouco de vinho.
- E os anjos estão no céu ou na terra?
- Os anjos moram nos reflexos.
Depois avisto
um hindu, que reza para
uma escultura de quatro braços.
Falo.
- Não Breton, você não
criou nada, o surrealismo.
nasceu com a religião!
Ao longe
abandonado ao sol
um cadáver na restinga quente.
Uma rosa nasceu de seu umbigo.
Primeiro achei poético, depois lógico
as fezes no intestino alimentavam
as raízes da rosa.
Desço e descanso.
Faço um castelo de areia, cimento e cal.
Vejo saltar um peixe dourado
escamas feitos de dobrões espanhóis.
Quando continuei
encontrei ainda
um pintor chinês que olhava o mar, e com os pincéis
escrevia um poema na tela.
Três deuses
Marte, ele usava brutalidade
para conseguir mel.
Vênus, ela usava mel
para fazer maldades.
E a deusa que dá odor ao mar
lavando sua vulva na água.
Também Hamlet, que erguia a leveza da morte,
era a vida nele que pesa como chumbo.
Concentração é uma venda,
a distração nos faz ver muito mais.
Finalmente fiquei só com o oceano.
Olho sonhador
queria ir morar na distância,
na casa que encontraria na distância
gramada com mar, canteiros com copos-de-leite.
Mas a distância é uma miragem
que se afasta um passo
a cada passo meu.
Retorno, sonhos longos
são tediosos.
Pareço uma flor, querendo
morder o rabo de seu perfume.



De Solivan

6 comentários:

  1. Solivan, Solivan, comoi eu amo ler o que vc escreve, é o supra, o sumo do delíricor
    de uma fruta ainda por vir
    esse deus de múltiplas faces, essa flor que vc é

    ResponderExcluir
  2. Solivan, navi Sol
    se vc recebeu um e-mail "convite" absurdo como se eu o tivesse enviado, me avise, por favor.
    Algum louco detonou virus no meu hotmail
    e repassou para todo o meu mailing
    te gosto

    ResponderExcluir
  3. "Concentração é uma venda,
    a distração nos faz ver muito mais."

    Sempre encontro engenharia de palavras espalhadas por todos os cantos, mas, quando sinto saudades da poesia, venho aqui passear minha distração.

    Abraços, Solivan!

    ResponderExcluir
  4. Vou tomar cuidado Neuzza,recebi mas não abri, esta bem espalhado este virus,cretinos em açao.
    Mas meuzza saiba que é sempre muito bom saber sua opinião é sempre comovente.
    Seu amigo Solivan

    ResponderExcluir
  5. Obrigado Carlos, pelo seu comentário,
    sabe que infelizmente nao vi o que o engenheiro da palavra disse,parece que ele retirou seu comentário,nem sabia que era possível fazer isto,pena.

    Um abraço

    ResponderExcluir